quinta-feira, 8 de julho de 2010

Caminho Oposto

A razão me destroi, irrita, tira a paciência, condena, distrata, dá orgulho, envolve, é egoísta, é sem tempo, pisa, entende, é sustentável, é satisfatória.
O coração me abraça, me acalma, escuta, cede SEMPRE, distrai, distribui, compreende, machuca, não julga, não entende, ultrapassa, deseja, sonha, fantasia, morre e renasce, junta, desculpa, faz, acontece, ama.
O coração nada mais é do que a razão CEGA! Distratada, sonhadora e contente! A razão ao contrario.

No meio de todas as pessoas, algumas escolhem a razão mais fácil e tolerável. Pois ser cego vai acabar machucando, vai acabar doendo e decepcionando. Porque o coração só espera bondade, ele é inocente e burro, compreende mas não entende. A maldade, o orgulho, falsidade, desprezo, distancia. Por isso cada um ataca com suas razões, motivos para estarem assim. Utilizam a razão que enxerga muito bem, para se afastar do ''perigo''; do que é inocente. Pois a inocência sempre leva a decepção!
Cansados, já não sabem mais como amar sem entender! Não sabem sentir! Só querem enxergar razão nesse sentimento. Achar motivos. Sendo que o coração é sonhador e nos leva para caminhos que não podemos visualizar. E muitos tem medo da decepção e das dores que podem seguir.
Mas eu estou sempre ouvindo as palpitadas, a parte cega da minha razão; o meu cérebro envia tão rápido ao coração, que acabando achando que o meu órgão, bombeador de sangue, é quem manda. Mas não! O sentimento é algo mental! Por isso há sempre confusões ao decorrer dos relacionamentos. A razão se atrapalha demais com a razão cega!

Eu sigo cega, calada e muda. Aguardando um caminho cego, cheio de obstáculos! Sem motivos... Apenas com esses pequenos momentos de palpitação dentro do peito. Isso pra mim é sentir. É amar! É o que importa, e o que vale! Se para isso preciso ser cega e seguir num caminho inocente, cheio de tropeço e decepções... ESTOU DISPOSTA!
A ingenuidade é uma dádiva. Eu a perdi por enxergar demais a razão (talvez ainda reste um pouco em mim). Não vejo como um defeito... Vejo como uma das melhores qualidades. A de aguardar sempre o melhor. A inocência traz coisas e sentimentos maravilhosos! Mas infelizmente a maldade é tanta, que a inocência acaba se perdendo.
No final, quem acaba sendo mais cegos são vocês! Destinados a quebrar todas as maneiras de viver em paz com o heart. O meu coração tem dúvidas, sempre questiona, reclama pois não consegue entender essas razões. Esses motivos para que MUITOS seguem! Ele é teimoso sim!
Destinos como o de vocês, sem palpitadas no peito, sem apertos, sem tremederas, sem medo, sem destino. Sem FEELING!!
O que eu sinto é dó de tudo isso e de todos eles. Afinal, eu sempre me entrego e distribuo o meu coração, o meu amor, a minha paciência, o meu melhor... Mas em troca, ganho marra, orgulho, desprezo e má-vontade. Mas no fundo, SEI, que sigo o que é melhor!
O meu caminho está livre. O de vocês condenado, manchado pelo egoísmo e traições.
A minha insatisfação me faz perguntar o que estou fazendo todos os dias!! Pois meu coração cobra mais... Sempre mais. Não quer pedaços, não quer metades... quer TUDO, quer por inteiro! Reclamo, questiono por saber que a sua razão vidente é a sua escolhida. Não a razão cega, a razão "do coração". [Confusões e mais confusões].
Se me magoa? Sim. Mas nem por isso deixo de lutar por um caminho oposto, o que eu REALMENTE quero! O que me faz bem! Tenho tudo em minhas mãos. Vocês podem até achar que tem tudo, mas no fundo, tem a solidão e a dor. Estão sozinhos!
Eu choro, me machuco, corto, me desespero, mas porque o meu coração não se satisfaz. Nunca! E a realidade incomoda, mas não me derruba. A maldade me atrai, mas não me condena. O pouco que tenho, o meu coração valoriza, mas mesmo assim, ainda tem sede! Estou viva, estou potente. Se tenho tempo, não sei... Mas a cada dia a menos que tenho para viver nesse mundo, desejo e inspiro sempre que meu coração esteja cheio de amor. Aprendendo sempre com esse danado. Sigo e respeito, a minha razão cega. O meu coração!


"Sigo o caminho oposto, contra todo o mal que é imposto."